5 de outubro de 2015

Papa diz que Sínodo «não é Parlamento» onde se recorra a «negociação ou cedências»

© Foto Famiglia Christiana
O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que o Sínodo dos Bispos “não é um congresso ou uma convenção, um parlamento ou um senado” onde se negoceiem decisões. “Caros irmãos, como disse, o Sínodo não é um parlamento, onde para se chegar a um consenso ou a um acordo comum, se recorre à negociação, a pactos ou a cedências. O único método do Sínodo é o de abrir-se ao Espírito Santo, com coragem apostólica, humildade evangélica e oração confiante” declarou, na primeira sessão de trabalho da 14ª assembleia geral ordinária deste organismo consultivo, dedicado ao tema da família.

Francisco sublinhou que o “depósito da fé” da Igreja Católica não é “um museu para olhar ou salvaguardar, mas é uma fonte viva”. “O Sínodo é uma expressão eclesial, isto é, a Igreja que caminha em conjunto para ler a realidade com os olhos da fé e o coração de Deus”, precisou. Nesse sentido, convidou a “valorizar e refletir em conjunto” o trabalho realizado desde a reunião extraordinária de 2014, sobre os mesmos temas, elogiando “todas as pessoas que se deixam guiar pelo Deus que surpreende sempre”, do Deus que “criou a lei e o sábado para o homem e não ao contrário”. “O Sínodo, como sabemos, é um caminhar juntos, com o espírito de colegialidade e sinodalidade, adotando corajosamente a franqueza (parrésia, no original)”, assinalou.

O Papa pediu que os participantes tenham sempre em vista “o bem da Igreja, das famílias”, falando do Sínodo como “um espaço protegido, onde a Igreja experimenta a ação do Espírito Santo”. A intervenção alertou para as “seduções do mundo que tendem a apagar nos corações do homem a luz da verdade” ou para os que querem fazer da vida cristã “um museu de recordações”.

O Papa espera que os participantes na assembleia sinodal saibam “esvaziar-se das próprias convenções e preconceitos para ouvir os irmãos bispos”, evitando “apontar o dedo ao outro para o julgar, mas estender a mão para o levantar”. Francisco sublinhou por isso a importância de um coração que se “abre a Deus” e ao seu Espírito, para evitar que as decisões do Sínodo sejam apenas “decorações, que em vez de exaltar o Evangelho, o cobrem e escondem”.

No final do discurso, o Papa deixou uma palavra de agradecimento aos jornalistas e a quantos acompanham os trabalhos de longe, pela sua “participação apaixonada e atenção admirável”. Os trabalhos da 14ª assembleia geral do Sínodo dos Bispos (4-25 de outubro) vão ter mais espaço para o debate e o diálogo, com 13 sessões de trabalhos em grupo.

Ao longo de três semanas, serão debatidos os temas “A escuta dos desafios sobre a família”, “O discernimento da vocação familiar” e “A missão da família hoje”, correspondentes a cada uma das partes do Instrumento de Trabalho.

Pode acompanhar os trabalhos do Sínodo no blogue que a Família Cristã criou para o efeito em http://sinododafamilia.blogspot.pt

Texto: Agência Ecclesia

0 comentários:

Publicar um comentário